Ética / Estrutura

 

Departamento de Ética

​​

      Fernanda Penteado    

Farmacêutica
Gerente

Carine Poier 

Farmacêutica
Assessora Ética

Edneia Magri 

Farmacêutica
Assessora Ética


 

Comissões de Ética

As Comissões de Ética possuem a atribuição de avaliar de forma isenta os processos éticos instaurados em face de profissionais inscritos no CRF-PR, elas elaboram relatórios e encaminham os casos para apreciação e julgamento pelo Plenário do Conselho, portanto, diferem das Comissões Assessoras que discutem e implementam assuntos relativos ao âmbito profissional.
 
É perante às Comissões de Ética, na fase de instrução processual, que o farmacêutico terá assegurado os seus direitos constitucionais ao contraditório e a ampla defesa.
 
Os membros das Comissões de Ética são voluntários, prestam relevantes serviços a profissão farmacêutica e são comprometidos com o correto e exemplar exercício da profissão farmacêutica.
 
Membros Efetivos das Comissões:
 
Curitiba

Guilherme Santos Chella
Gustavo Behrend
Lia de Mello Almeida
Maria Fernanda Turbay Palodeto
Marion Thiessen Helrighel
Mônica Cristina Sampaio Majewski
Paulo Cesar Moreira
Roderlei de Araújo
Soraya Barrionuevo Franzener

Seccional Ponta Grossa 

Ana Paula Vilela
Gabrielle Fernanda Costa Scheifer
Mariana Vettorazzi
Sandra Maria Bianco

Seccional Londrina 

Ana Paula de Cunha Urnau
Ana Carolina Saka Shita
Larissa Ferres Joaquim
Luciano Cesar Ferreira
Michele Longhi
Sandra Maria Contin Gallerani
Tania Cristina Horçai Tagomori Muniz

Seccional Maringá 

Andrea Molina Gomes
Ednei Gomes
Fabio Stahlschmidt
Fernanda Marozeni
Graciele de Pintor
Márcia Teixeira 

Seccional Cascavel 

Cibeli Lunardeli de Oliveira
Claudete Maria Costa Predebon
Karem Aline Pegoraro
Leandro Klem
Marcelo Seiji Ogassawara
Mariana Caroline Maccari
Orli Dutra Boeira Junior
Poliana Vieira da Silva Menolli
Rafael Luz Gonzatto
Renata da Silva Braga
Rodemar Varizi
Sheila Karina Luders Meza
Telma Yurika Kihara

 


Os membros são responsáveis por realizar a oitiva (audiência) dos profissionais incursos em processo ético, bem como de possíveis testemunhas arroladas, de forma a garantir a ampla defesa e o contraditório, e ao final elaborar relatório com indicação se houve ou não culpa por parte do profissional.